Fase 3

15/11/2010 (lettering)

A prisão, em Minas Gerais, de Leonardo Campos Alves, ex-porteiro

do Bloco C da SQS 113 sul, e de seus comparsas Paulo Cardoso

Santana e Francisco Mairlon Barros Aguiar, trouxe à luz uma disputa

de poder na Polícia Civil do Distrito Federal. Apesar de o caso estar,

oficialmente, em posse da Corvida, houve participação de outra

delegacia no caso. Uma equipe da 8ª Delegacia de Polícia (SIA) foi a

Montalvânia, uma cidade no extremo norte mineiro, sem qualquer

aviso à Corvida

A trapalhada pegou até o promotor Maurício Miranda, do Tribunal do

Júri de Brasília, de surpresa. Detalhe: foi Miranda quem pediu a

transferência do caso da 1ª DP para a Corvida. Ao jornal “Correio

Braziliense”, o promotor revelou não ter sido consultado por Deborah

Menezes, a delegada que então comandava a 8 ª DP, sobre a operação,

em Minas Gerais.

O juiz Sandoval Gomes de Oliveira, servidor do cartório do Tribunal

do Júri de Brasília, responsável pelo mandado de prisão do ex-

porteiro Leonardo Campos Alves, afirmou que um delegado da 8ª DP

entregou pessoalmente a solicitação ao magistrado. Sinal que o

policial não havia seguido o trâmite normal, ignorando o Ministério

Público do Distrito Federal, onde Maurício Miranda está lotado